Destaque

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Devemos Nós Guardar o SÁBADO?


– O Sábado faz parte de um concerto ou pacto entre Deus e o povo israelita:

“Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando-o nas suas gerações como pacto perpétuo. Entre mim e os filhos de Israel será ele um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, e ao sétimo dia descansou, e achou refrigério” (Ex.31:16).

“Lembra-te (povo hebreu) de que foste servo na terra do Egito, e que o Senhor teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido; pelo que o Senhor teu Deus te ordenou que guardasses o dia do sábado” (Dt. 5:15, parênteses do autor).


– Antes do concerto do Sinai Deus não ordenou a ninguém que guardasse o Sábado: 

“E ao homem disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei dizendo: Não comerás dela; maldita é a terra por tua causa; em fadiga comerás dela todos os dias da tua vida” (Gn.3:17); “Pois todos quantos são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las”Gl.3:10); “Guardais dias(no caso o Sábado), e meses, e tempos, e anos. Temo a vosso respeito não haja eu trabalhado em vão entre vós” (Gl.4:10-11, parêntesis nosso); “ concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei” (Rm.3:28).

– Jesus Cristo foi a última pessoa que teve obrigação de guardar a Lei e o Sábado: 

“mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei, para resgatar os que estavam debaixo de lei, a fim de recebermos a adoção de filhos”(Gl.4:4-5; Rm. 10:4).

– O Sábado faz parte da lei e esta foi por Cristo abolida totalmente: 

“... e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz”(Cl.2:14); “mas o entendimento lhes ficou endurecido. Pois até o dia de hoje, à leitura do velho pacto (a Lei), permanece o mesmo véu, não lhes sendo revelado que em Cristo é ele (a Lei e tudo o que nela está incluído, no nosso caso o Sábado) abolido” (II Cor.3:14). { Grifo do autor}.

Os adventistas, para imporem a obrigatoriedade da guarda do Sábado, se valem de argumentos infundados estabelecendo uma distinção entre a Lei Moral e Lei Cerimonial, Lei de Deus e Lei de Moisés, dizendo que a Lei Moral ou lei de Deus se restringe aos 10 mandamentos e continuará para sempre, e que a Lei de Moisés ou Lei cerimonial abrange o Pentateuco escrito por Moisés e foi abolida. Essa distinção é imprópria e inescriturística.

Vejamos:

- “E chegado o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o Livro da Lei de Moisés” (Ne.8:1). Observe a expressão “o livro da Lei de Moisés”. Este mesmo livro, denominado de “Lei de Moisés” é, a seguir, assim chamado: “E leram no livro, na Lei de Deus; e declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse”; “E acharam escrito na Lei que o Senhor ordenará, pelo ministério de Moisés, ...”(Ne.8:8; 8:14)

- “Pois Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá”(Mc.7:10). 
Ora, nós sabemos pôr Êx. 20:12 que se trata do quinto mandamento, e, no entanto se diz que “Moisés disse”. 

- “Não vos deu Moisés a lei? No entanto nenhum de vós cumpre a lei. Por que procurais matar-me?” (Jo. 7:19). Onde a Lei proíbe o homicídio? Em Êx. 20:13, dentro dos dez mandamentos. O decálogo é chamado por Jesus de Lei de Moisés.

O apóstolo Paulo chama o decálogo de Lei; “... pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera” (Rm.7:7). Para o apóstolo Lei mosaica e decálogo eram a mesma coisa. 

Essa divisão da lei em duas é artificial, sem qualquer apoio bíblico, mas fundamental para impor a guarda do Sábado na doutrina Adventista.


– Estamos em um novo concerto muito melhor, fazendo-se necessário à mudança da Lei: 

“Mas agora alcançou ele (Jesus) ministério tanto mais excelente quanto é mediador de um melhor pacto (aliança ou concerto), o qual está firmado sobre melhores promessas” (Hb. 8:6). {Grifo meu}

Faz-se, aqui, necessário uma explicação sobre o nosso novo concerto e a mudança da Lei. Foi o próprio Cristo que instituiu a nova aliança (Mt.26:28) trazendo assim uma nova concepção da vida espiritual que Deus quer que tenhamos. Isso foi tão profundo que os judeus não entenderam e nem aceitaram. A lei dizia: “olho por olho, e dente por dente”. Jesus disse: “não resistais ao mal; mas se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra” (Mt.5:38-39). A mudança que foi feita não exclui nem um til da lei (Mt.5:18), mas uma concepção mais profunda da mesma. Isso nem os Judeus e muito menos os Adventistas entendem. Quanto ao Sábado, a Lei dizia que deveria ser guardado e santificado (Ex.20:8), mas no novo pacto isso muda e o que tem que ser guardado e santificado é o povo de Deus, não só em um dia da semana, mas nos sete. Isso é pelo fato do Sábado ser feito para o homem e não o homem para ser escravo do Sábado (Mc.2:27-28). Todos os dias para os cristãos têm que ser santo e especial, pois em qualquer um desses dias Jesus pode voltar (Mc.13:32). A nova concepção do Sábado é muito mais profunda do que qualquer sabatista possa querer explicar, pois muitas são as mudanças na visão dessa lei da guarda do Sábado. Em Hebreus (capítulo 4) Jesus é o próprio Sábado e é claro que o Senhor reina em todos os dias. Para a Igreja o Sábado, que era o dia da santificação, tornou-se todos os dias. É uma pena que os Adventistas e sabatistas consagrem apenas um dia para o Senhor, pois A IGREJA DE CRISTO CONSAGRA TODOS OS DIAS PARA O SEU SENHOR.

Explica o seguinte o Dr. G. Archer sobre essa problemática: “...a verdadeira questão é se a ordem sobre o sétimo dia, o Sábado do Senhor, foi transferida (Hb.7:12), no NT, para o primeiro dia da semana, o Domingo, que a igreja em geral honra como o dia do Senhor. De fato, ele é também conhecido como Sábado cristão. O âmago ou cerne da pregação apostólica ao mundo gentio e judaico, a partir do pentecostes era a ressurreição de Jesus (At.2:32). O ressurgimento de Cristo era a comprovação de Deus, perante o mundo, de que o salvador da humanidade havia pago o preço válido e suficiente pelos pecadores e havia superado a maldição da morte. O sacrifício expiatório eficaz de Jesus e sua vitória sobre a maldição da morte introduziu uma nova época ou dispensação da Igreja (Ef.1:10). Assim como a ceia do Senhor(I Cor.11:23-34) substituiu a Páscoa (Mt.26:17-30; Lc.22:7-23), na antiga aliança – “Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento (novo concerto, pacto, aliança)”. A morte de Cristo substituiu o sacrifício de animais no altar (Jo.19:30, Cf. Lv.), o sacerdócio arônico (Êx.28) foi substituído pelo sacerdócio supremo de Jesus “segundo a ordem de Melquisedeque”(Hb.7) e fez com que cada crente se torna-se um sacerdote (Ap.1:5). Também o quarto mandamento, dentre os dez, que pelo menos em parte tinha natureza cerimonial (Cl.2:16-17), deveria ser substituído por outro símbolo, mais apropriado à nova dispensação - O DOMINGO “Dia do Senhor”. (Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, pág. 125)

– No novo concerto, sob qual estamos (Hb. 8:6), não existe mandamento para guardar o Sábado embora encontremos todos os outros do decálogo. 

Leiamos:

“Perguntou-lhe ele: Quais? Respondeu Jesus: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; honra a teu pai e a tua mãe; e amarás o teu próximo como a ti mesmo. Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado; que me falta ainda? Disse-lhe Jesus: Se quereres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me. Mas o jovem, ouvindo essa palavra, retirou-se triste; porque possuía muitos bens” (Mt.19:18-22).


É evidente que, na opinião dos sabatistas, uma das mais importantes doutrinas é a da guarda do Sábado. Se realmente fosse tão importante a guarda sabática, então seguramente teria de haver menção do mandamento no Novo Testamento. Entretanto, todos os outros mandamentos do decálogo são repetidos muitas vezes, porém o fato é que não encontramos o mandamento sobre o Sábado no Novo Testamento nem sequer uma vez. No caso do jovem rico, Jesus enumerou a maioria dos mandamentos, mas deixou de fora o mandamento sobre o sétimo dia. O grande questionamento seria o porquê o Novo Testamento, que cita todos os demais mandamentos do decálogo, não explicita a questão da guarda sabática.

– O apóstolo Paulo era apóstolo dos gentios, mas nunca ensinou ninguém a ficar guardando dias. Muito pelo contrário, ele afirmou que se alguém ficar guardando dias o evangelho da graça é inútil para essa pessoa:

“Guardais dias (no caso o Sábado), e meses, e tempos, e anos. Temo a vosso respeito não haja eu trabalhado em vão entre vós... Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça decaístes”. (Gl.4:10-11; 5:4). {Grifo meu)


- Os sabatistas condenam quem não guarda o Sábado e afirmam que esta pessoa não será salva. 

“Foi-me mostrada então uma multidão que ululava em agonia. Em suas vestes estava escrito em grandes letras: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Perguntei (ao anjo) quem era aquela multidão. O Anjo disse: Estes são os que já guardaram o sábado e o abandonaram. Vi que eles haviam ... enlameado o resto com os pés – pisando o sábado a pés; e por isso foram pesados na balança e achados em falta.” (Primeiros Escritos, pág.37)

O apóstolo Paulo da uma dura repreensão para estas pessoas que condenam os seus irmãos: 

“Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai; mas estará firme, porque poderoso é o Senhor para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente convicto em sua própria mente” (Rm.14:4-5).
“Portanto não nos julguemos mais uns aos outros; antes o seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao vosso irmão” (Rm.14:13). 


Sabemos de dezenas de histórias de pessoas que ficaram endividadas e chegaram até a passar necessidades e sabe porquê? Os sabatistas proibiram o irmão de trabalhar naquela determinada firma, pois lá se trabalhava aos sábados. É impressionante como uma doutrina chega a ser extremista e a prejudicar a comunidade.

Ainda bem que existe as verdadeiras Igrejas de Cristo para ensinar a verdade para as pessoas. A verdade é libertadora (Jo. 8:32) e não opressora como esta doutrina. As pessoas procuram as igrejas para tirarem o fardo pesado das costas (Mt. 11:28-30) e muitas vezes ao chegarem lá os seus fardos não se aliviam e sim ficam mais pesados. É o coso de quem se achega à igreja Adventista, pois quem não guarda o Sábado está fora da comunhão e doutrina da igreja. Os líderes condenam veementes os que ali no meio não cumprem a guarda deste dia. Isso é muito triste!

Explicando Colossenses 2:16

“Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo” (Cl.2:16-17).


Para fugir à evidência de Cl.2:16-17, onde Paulo se refere ao Sábado semanal como integrante das coisas passageiras da Lei que terminaram com a morte de Cristo na cruz, os adventistas costumam argumentar que a palavra “Sábado” não se refere ao sábado semanal, mas aos anuais ou cerimoniais de Lv.23. O que não é verdade, pois os sábados anuais ou cerimoniais já estão incluídos na expressão “dias de festa”. Esta indicação mostra positivamente que a palavra SABBATON, como é usada em Cl.2:16, não pode se referir aos sábados festivos, anuais ou cerimoniais. Sendo assim é difícil para os Adventistas sustentar a sua doutrina sabática, desde que temos visto que o Sábado pode legitimamente ser tido como “sombra” ou símbolo preparatório de bênçãos espirituais e não dogmas legalistas (vrs. 17). 



MISSIONÁRIO R.R. SOARES - Perguntas e Respostas 


Por que a Igreja da Graça não guarda o sabado?

Resposta: E quem disse que não guarda? Pode não fazê-lo como os sabatistas acham que deveria ser, mas o fazemos como ensina a Palavra de Deus. Para ver como isso funciona, pesquise a palavra sábado (grafada com acento) no campo de pesquisa e leia as respostas, com os respectivos textos biblicos.

 Existem varias passagens da biblia antigo e novo testamento que relata que Deus descansou no sétimo dia , que sabado não podia comercializar , então estamos em pecado ao não cumprir essa lei ?

Resposta: Como eu gostaria que as pessoas que usam esta coluna lessem as instruções e avisos, antes de formular suas perguntas. A questão da guarda do sábado já foi respondida várias vezes aqui. Basta uma simples consulta ao termo "sábado", no campo de busca, no topo da coluna, que todas as respostas acerca do assunto serão alistadas. 



Vi a elaboração do resumo do Senhor sobre o sabado, mais hoje, descobri que ele é algo perpertuo como comenta a biblia. em Levitico 23.31. Missionário, somos obrigados então a guardar o sabádo? Pois vi em atos 17.4 que o apostolo fazia os trabalhos de Cristo aos sabádos. Devemos então guardar o sabádo ? Vi sobre os apostolos falando em atos 15, mas ao ver que é algo perpétuo que é como eterno fiquei com temor e ao mesmo tempo confuso.

Resposta: Já há respostas de sobra sobre este assunto na coluna. No entanto, já que esta pergunta suscita uma dúvida "nova", vamos a ela. O preceito de Levítico 23.31 é CLARAMENTE para os JUDEUS e SÓ para eles. Do contrário, os cristãos teriam de ter, além do sábado, o Dia da Expiação, que está consignado no mesmo capítulo de Levítico. Além disso, o versículo que você citou afirma textualmente: "em todas as vossas habitações", e não no mundo todo, ou para todas as gentes. É exatamente por isso que os apóstolos, em Atos 15, deixam bem clara a diferença de "obrigações" de judeus e cristãos. Quanto ao texto de Atos 17.4, basta ler os versículos 1 a 3, onde se lê que em Tessalônica havia uma sinagoga e que o apóstolo, como era seu costume, foi lá por três sábados para discorrer sobre as Escrituras. Ora, os judeus é que se reunem aos sábados nas sinagogas e foi para pregar a eles que Paulo ia às sinagogas aos sábados. No entanto, com os cristãos gentios, ele se reunia NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA (At 20.7; 1Co 16.2). Para concluir definitivamente o assunto: Romanos 14 é taxativo: quem acha que deve guardar o sábado, que o faça. Não é pecado! Agora, que não venham impor seu entendimento a todos os outros, porque isso sim contraria as Escrituras, como o texto de Romanos 14 ensina claramente. Para outras dúvidas sobre este assunto, consultar as outras respostas dadas nesta coluna.


Miss.gostaria de saber porque nas igrejas evangelicas a maioria condenam imagens de santos que a igreja catolica possuem e nao guardam o sabado que esta na mesma lei..ora se condenam imagens de santos deveriam guardar o sabado!

Resposta: Este assunto já foi exaustivamente tratado nesta coluna, no Jornal Show da Fé e na Revista Graça. Pesquise e saberá o que a Bíblia ensina sobre o assunto. Basta digitar sábado na coluna de busca.


Graça e paz! de que maneira devemos obedecer o mandamento que diz: guardar e santificar o sábado?

Resposta: Já respondi várias vezes sobre esse assunto (consulte o campo de busca e leia as outras respostas), mas veja o seguinte sobre a questão do sábado: 1. O sábado, guardado nos moldes do AT, pertence à Lei de Moisés, cumprida cabalmente em Cristo, que nos libertou do jugo da Lei (Lc 16.16; Gl 3.13; Cl 2.13-15 - note o termo "ordenanças"). 2. O que os 10 Mandamentos ensinam é que temos de ter, a cada sete dias, um período de descanso, no qual gozamos as bênçãos da criação, como o Senhor gozou (Gn 2.2-3). A palavra "sábado" significava "descanso", "gozo", antes de passar a ser o nome de um dia da semana. Foram os judeus que idolatraram o dia de sábado, tornando-o um fardo em vez de bênção. Quem trabalha no sábado, tem, por lei, um outro dia de folga, que é quando a pessoa pode cumprir o estabelecido no quarto mandamento. 3. O Senhor Jesus diversas vezes censurou os escribas e farizeus por sua idolatria com respeito ao sábado, a ponto de condenarem Jesus como transgressor da Lei, por não guardar o sábado (veja os Evangelhos). Você acha que Jesus violava o sábado? Claro que não; só na cabeça de quem idolatrava o dia em detrimento do seu significado espiritual. 4. A igreja primitiva reunia-se no domingo, e não no sábado, para o culto, onde celebrava-se a santa ceia e levantavam-se ofertas, atividades típicas de culto (At 20.7; 1Co 16.2). 5. Em Atos 15 há o registro do Primeiro Concílio da Igreja, em Jerusalém, que debateu exatamente se os cristãos não-judeus tinham ou não de guardar a Lei de Moisés. A conclusão foi que a Lei era APENAS para os judeus e que os gentios estavam dela livres, devendo apenas guardarem-se de algumas coisas. O sábado não consta dessas coisas (At 15, especialmente os versículos 19 a 21, onde o sábado é vinculado diretamente a Moisés [judeus] e não aos gentios). 6. Em Romanos 14 aprendemos que não devemos discutir opiniões doutrinárias sobre comida e DIAS DE GUARDA, pois ambos os grupos, isto é, tanto os que se abstêm de alguns alimentos ou atividades em dias especiais, o fazem para Deus, assim como os que consideram todos os alimentos e dias igualmente santos. Desse modo, quem acha que deve guardar o sábado, deve fazê-lo, sem porém condenar o que pensa diferente. 7. O livro Fatos sobre o sétimo dia, de Gordon Lindsay é excelente para elucidar todas as dúvidas sobre esse assunto. Se quiser, vc o encontra em nosso portal www.ongrace.com no site do Shopping do Povo.

fontes: Ministério CACP
Ongrace

0 comentários:

Postar um comentário